Em crítica à atual realidade brasileira, projeto une teatro e debates

Intitulada 'Contragolpe', ação promove apresentações de dois espetáculos e discussões no Teatro Arraial, nos dois primeiros fins de semana de março.

Por G1 PE
27/02/2018 

Espetáculo 'A Invenção da Palavra' faz parte do projeto Contragolpe (Foto: Fred Jordão/Divulgação)

Parêa Teatro e a Janela Projetos realizam, nos dois primeiros finais de semana de março, o projeto Contragolpe, no Teatro Arraial. A ação, uma crítica à atual realidade brasileira, ao judiciário e à mídia, promove apresentações de dois espetáculos, "A Invenção da Palavra" e "Martelada", seguidas de debates.

"Diante deste quadro nada animador, qual deve ser a postura das pessoas que trabalham com cultura? Devemos nos aquietar e esperar passivamente que um dia tudo passe? Ou atuar para que as nossas vozes sejam ouvidas e, assim, possam engrossar o coro dos milhões de excluídos e excluídas?", questiona o ator Cláudio Ferrario, destacando que a "ocupação" do teatro se dá sem qualquer lei de incentivo.

De acordo com ele, serão quatro noites regadas a teatro, para "juntar pessoas, discutir e disseminar ideias, para multiplicar os contragolpes". Assim, após as apresentações, haverá discussões específicas para cada dia.

No dia 2, após "A Invenção da Palavra", o debate será sobre a luta dos trabalhadores e trabalhadoras sem terra e sem teto. No dia 3, o mesmo espetáculo será seguido de uma discussão sobre a luta das mulheres.

No dia 9, depois da encenação de "Martelada", vem debate sobre a luta das nações indígenas e das comunidades quilombolas. No dia seguinte, o espetáculo e a discussão são dedicados à luta dos trabalhadores e trabalhadoras da cultura popular.

'Martelada' é um monólogo encenado e escrito por Cláudio Ferrario (Foto: Ricardo Lima/Divulgação)

Espetáculos

"A Invenção da Palavra" faz uma viagem poética e lúdica pela humanidade. Apresenta dois velhos, brincantes, palhaços, loucos, mendigos a se divertirem com uma peleja entre Deus e o capeta para se saber, de fato, quem inventou a palavra. Um espetáculo minimalista, que faz da atuação dos atores, suas palavras e seus gestos, força propulsora da construção dramática. O texto é de Cláudio Ferrario, com encenação de Moncho Rodrigues. Atuam o próprio Cláudio e a atriz Olga Ferrario.

"Martelada" tem texto de Cláudio Ferrario e direção de Dea Ferraz. A peça mergulha no repertório de histórias e conflitos de um velho Mateus de cavalo-marinho afastado da brincadeira. A narrativa do monólogo foi construída após andanças por quatro cidades da Zona da Mata Norte de Pernambuco, e faz uma viagem abstrata inspirada nas três vezes em que Martelo, figura do tradicional cavalo-marinho, afirma ter ido ao inferno. É uma ode às pessoas que guardam na memória as histórias do passado e na oratória a capacidade de passá-las adiante.

Serviço

Contragolpe

Teatro Arraial - Rua da Aurora, 457, Boa Vista

2 e 3 de março: "A Invenção da Palavra", às 20h

9 e 10 de março: "Martelada", às 20h

R$ 30 (inteira) e R$ 15 (meia)

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

MPF denuncia 32 pessoas suspeitas de usar verba da Lei Rouanet em festas

Governo de Pernambuco vai incentivar espetáculos da Paixão de Cristo 2018

Governo lança Editais do Funcultura Geral, Audiovisual e da Música